Comércio de sêmen bovino cresce na região de Imperatriz

Diego Leonardo Boaventura

Segundo relatório da Associação Brasileira de Inseminação Artificial (Asbia), em 2011, o Brasil teve um crescimento de 23% no mercado de sêmen bovino, com 11.906.763 doses comercializas. Desse total, 57% são de genética nacional e 43% importada, com 59% de raças de corte e 41% de raças leiteiras. A região de Imperatriz acompanhou o crescimento nacional e, nos últimos dois anos, o comércio de sêmen teve um aumento significativo. Estima-se que sejam comercializadas 60 mil doses de sêmem por ano na região.
Desde 1993 no mercado de sêmen bovino, Cosme Otonio Mesquita Chagas, titular da Pec – Sêmen, em Imperatriz, reconhece que nos últimos anos o setor vive seu melhor momento. Segundo ele, o aumento é devido principalmente à facilidade de adoção da inseminação artificial. “Hoje a inseminação é bastante democrática, ela pode ser feita pelo grande, médio e grande produtor. O preço acessível e as facilidades pelo uso de determinadas tecnologias que, há cinco anos não eram usadas, aperfeiçoam o sistema e otimizam o comércio”.

Raças

Ainda de acordo com a Asbia, o Nelore continua encabeçando a lista de vendas por raça, com 3.017.815 doses em 2011, crescimento acumulado de 54% nos três últimos anos. Nelore e Nelore Mocho somaram 3.276.683 doses. Angus e Red Angus somaram juntas 2.383.952 doses, com mais de 108% de crescimento somente no Angus, entre 2009 e 2011. O Holandês somou 2.874.573 doses vendidas, seguido na liderança por Gir Leiteiro, Jersey e Girolando. Essas três raças juntas alcançaram 1.909.021 doses, com mais de 52% de crescimento no Gir e 107% no Girolando também em 3 anos.
Campeões de vendas

O estado de Minas Gerais comercializou 27,93% do total de doses de raças de leite, seguido pelo Rio Grande do Sul com 14,88%. Juntos, Mato Grosso e Mato Grosso do sul venderam mais doses de raças de corte, com 29% do total. O Brasil exportou 189.971 doses, sendo a Colômbia e o Canadá os maiores compradores.

A cidade de Impertriz conta hoje com três centrais de distribuição e comércio de sêmen. Entre elas estão a Pec – Sêmen, que trabalha com alta genética, e a Curral Consultoria Agropecuária, que comercializa sêmen Alagoas e ABS, ambas estão localizadas no interior do Parque de Exposições de Imperatriz. Para Cosme, o produtor rural de hoje reconhece a importância da inseminação artificial. “Os produtores estão ligados nas novas tecnologias e no sistema de inseminação, fator muito importante para o melhoramento do rebanho”, conclui.