Uema pode perder terreno doado pelo Sinrural se não agilizar obras de novo campus de Agrárias

Diego Leonardo Boaventura

Mais de um ano se passou e o projeto de construção do campus de ciências agrárias da Universidade Estadual do Maranhão (Uema), em Imperatriz, não saiu do papel. Não podendo esquecer que o Sindicato Rural de Imperatriz (Sinrural), doador do terreno, deu um prazo de dois anos para que a obra fosse iniciada, caso contrário, a área de cinco hectares dentro do Parque de Exposições volta a ser patrimônio do Sindicato. Em julho deste ano vence o prazo e até agora continua a indefinição em relação ao início das obras.

Está em tramitação na Câmara dos Deputados a liberação de uma verba de R$ 17 milhões, conseguida pela bancada maranhense, destinada para os campi da Uema de São Luís, Balsas, Grajaú e Imperatriz. Deste montante, R$ 4,5 milhões é para construção do novo campus de Imperatriz.
“Com esses quatro milhões e meio não vai dar para construir tudo, mas nós fizemos um projeto em cima dessa verba. No projeto constam 24 salas de aula, 20 laboratórios, uma biblioteca e um auditório. Além de sala administrativa para os três cursos”, explica coordenador do curso de Agronomia da instituição, Wilson Araújo.

O projeto do campus de agrárias da Uema é modular, ou seja, se disponibilizada essa verba, serão construídos os módulos iniciais e, em outras etapas, o projeto vai sendo complementado, até a finalização total da obra.

Segundo o professor, o mês de dezembro passado seria o divisor de águas. “Em dezembro iríamos saber se esse recurso ia ser repassado ou não, mas o mês passou e ainda não sabemos, então, estamos aguardando. O deputado da região, Chiquinho Escórcio, é um dos líderes da bancada maranhense e está cobrando a liberação da verba”.

Parceria antiga

Há muito tempo os cursos de agrárias da Uema têm parceria com o Sinrural. Os alunos e professores utilizam o espaço para pesquisas e aulas práticas. Foi por meio desta aproximação que surgiu a ideia da doação da área para a universidade.

Karlo Marques, ex- presidente do Sindicato Rural de Imperatriz, levou a proposta a uma assembleia geral do Sindicato e os membros aprovaram a doação. Em uma solenidade realizada no dia 8 de julho 2010, a Uema recebeu legalmente o terreno.

“É de suma importância o campus dentro da área do Parque de Exposições de Imperatriz. Os alunos de Agronomia, Medicina Veterinária e Engenharia Florestal irão ter uma melhor estrutura, já que o projeto do campus é bem moderno e aqui dentro do Parque terão um contato mais direto com o produtor rural, ou seja, vão se aproximar dos seus futuros empregadores. Essa aproximação é fundamental para os alunos”, comenta Karlo Marques.

A ideia é que os cursos de ciências agrárias do Cesi-Uema sejam transferidos para o Parque de Exposições assim que a estrutura estiver construída. Todos – alunos, professores, produtores rurais e vestibulandos – estão com grande expectativa com a possiblidade do início das obras nesse primeiro semestre.

“Nós precisamos demais desse prédio construído, para que esses cursos consigam ficar ainda melhores. Como são de bacharelado, esses cursos são diferentes, a gente precisa da parte teórica, mas precisamos fazer pesquisa e praticar. Nós precisamos plantar”, finaliza o professor Wilson Araújo.